Defesa Civil Municipal reúne lideranças comunitárias para trabalho conjunto no período chuvoso

Preocupação com as áreas de risco e comunidades mais vulneráveis emite alerta entre as autoridades e instituições de defesa social

A coordenadoria Municipal da Defesa Civil promoveu na manhã deste domingo, (11/11), um encontro com aproximadamente 30 líderes comunitários no intuito de mobilizar a participação popular na prevenção a desastres e situações de calamidade no período chuvoso. A reunião aconteceu na Casa dos Movimentos Populares no Bairro Veneta, região central da cidade.

Além dos líderes comunitários, estiveram presentes no evento o Secretário Municipal de Governo, Pio de Castro; Secretário Municipal de Serviços Urbanos, Rubens Miranda; a vereadora, Tina; o Coordenador Regional da Defesa Civil, Sub-Tenente José Raimundo Nascimento e a Coordenadora Municipal da Defesa Civil, Bruna Butilheiro Braga.

Bruna Butilheiro falou que o objetivo do órgão é identificar as áreas de risco no município
Bruna Butilheiro falou que o objetivo do órgão é identificar as áreas de risco no município

A Coordenadora Municipal da Defesa Civil, Bruna Butilheiro, falou que o objetivo do órgão é identificar as áreas no município que possam acontecer desastres e prevenir, amenizar e preparar a população. “Com o início do período de chuvas aumenta os riscos de inundação, desabamentos de casas e deslizamentos de terra. Existem sinais claros para identificar e evitar as grandes tragédias. Postes, cercas e árvores que começam a inclinar, mostram que o terreno está se movendo. Trincas nas paredes ou no chão e degraus, junto aos barrancos são sinais de alerta”, explicou Bruna.

Outra grande preocupação são as construções em áreas de risco. De acordo com a Defesa Civil essas regiões geralmente são áreas expostas a desastres naturais, como desabamentos e inundações que são chamadas áreas de risco. “Essas regiões vêm crescendo constantemente nos últimos dez anos, principalmente devido à própria ação humana. As principais áreas suscetíveis são aquelas sob encostas de morros inclinados ou à beira de rios”, concluiu a coordenadora.

O Sub-Tenente José Raimundo Nascimento, Coordenador Regional da Defesa Civil, disse que tem acompanhado a coordenação municipal e ações de prevenção feitas pelo município. “A situação de Teófilo Otoni diante destas primeiras chuvas foi tranquila. A limpeza do Rio Todos os Santos ajudou muito, assim como o Córrego Santo Antônio. No mais, informar as pessoas quanto aos cortes de barrancos no alto dos morros, que com certeza, vindo a chuva, a tendência é descer lama e causar transtornos. Pedimos também à população quanto ao lixo que tampa os bueiros: não joguem nada nos rios. Vimos na limpeza que foram tirados fogões, sofás, e tudo isso contribui para o acumulo de águas e inundações durante as fortes chuvas” ressaltou o Sub-Tenente.

José Raimundo disse que tem acompanhado a coordenação municipal e ações de prevenção feitas pelo município
José Raimundo disse que tem acompanhado a coordenação municipal e ações de prevenção feitas pelo município

  O presidente da Associação dos Moradores do Bairro Palmeiras, Edmilson Moreira, disse que foi muito louvável a iniciativa por parte da coordenadoria da defesa civil. “Nós estamos no dia a dia nos bairros, acompanhando os problemas de perto e no momento das chuvas sabemos qual rua pode ter mais problemas”, destacou Edmilson.

Edmilson Moreira, disse que foi muito louvável a iniciativa por parte da coordenadoria da defesa civil
Edmilson Moreira, disse que foi muito louvável a iniciativa por parte da coordenadoria da defesa civil

Como prevenir-se das chuvas nas áreas de risco:

• Evitar os cortes verticais de terrenos;

• Evitar a plantação de bananeiras, que é uma planta pesada e de raiz superficial nas encostas, dando preferência às plantas mais leves e de raízes profundas, como o bambu;

• Não jogar lixo nas encostas, córregos e bocas-de-lobo;

• Construir calhas nos telhados, conservando-os limpos;

• Construir canaletas no chão para direcionar a água;

• Manter limpos os ralos, esgotos, galerias, valas, etc.;

• Não construir moradias às margens de cursos d’água, sobre aterros ou próximos de     brejos;

• Construir a casa sempre em nível mais elevado que o curso d’água mais próximo;

• Observar se as árvores estão ficando inclinadas, se há trincas novas nas paredes das casas ou no chão e se há movimentação do terreno;

Contato Defesa Civil

Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *